Mais de 80% dos empreendedores fecham as portas nos dois primeiros anos por não saber como separar o dinheiro da empresa do pessoal, segundo uma pesquisa realizada pelo Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC)

Para não correr o risco de fazer parte dessas estatísticas, é fundamental fazer um um planejamento e controle financeiro adequado e eficiente. A seguir, veja como fazer isso de um jeito simples para beneficiar tanto suas finanças pessoais quanto o orçamento empresarial. 

Por que é importante aprender como separar o dinheiro da empresa do pessoal? 

Além do risco de falência, não saber como separar o dinheiro da empresa do pessoal pode trazer várias outras desvantagens, como: 

  • Prejudicar a reserva financeira para usar como fluxo de caixa, capital de giro e investimentos;
  • Perder o controle dos gastos e acabar gerando as indesejáveis dívidas
  • Dificultar o acesso a crédito pessoal, porque usa os dados de pessoa física para conseguir empréstimo empresarial.

Como separar o dinheiro da empresa do pessoal?

Para evitar qualquer dor de cabeça no seu dia a dia, veja agora como separar o dinheiro da empresa do pessoal não precisa ser uma tarefa difícil. 

1. Separe as contas bancárias

O primeiro passo para organização financeira é ter uma conta física para gastos pessoais e familiares, e outra conta jurídica para controlar as entradas e saídas do negócio. 

Dessa forma, é possível melhorar o gerenciamento de todo o dinheiro, além de facilitar a declaração do Imposto de Renda e acesso a empréstimos. 

2. Analise todas suas finanças 

Você precisa saber exatamente quais são os valores que sua empresa recebe e movimenta: lucro, despesas, dívidas, taxa de juros e assim por diante. Para responder sem nenhuma dúvida, é necessário mapear todas as contas da empresa (entradas e saídas de dinheiro).

É fundamental fazer um detalhamento aprofundado das finanças pessoais também, tanto os gastos fixos quanto os variáveis. 

Anote absolutamente tudo num caderno, planilha ou aplicativo. No final, o objetivo é um só: diagnóstico financeiro. Dessa forma, você tem uma visão panorâmica real e fiel das finanças da empresa e pessoal. 

3. Defina seu salário 

Também conhecido como pró-labore, o salário que você recebe como proprietário da empresa não são os lucros, considerando que eles devem ser usados para o crescimento do seu negócio.

O recomendado é definir uma quantia fixa de remuneração, que seja compatível com o faturamento da empresa. Você pode ter como base o pior mês ou criar uma meta. 

4. Monite as entradas e saídas do negócio

Também conhecido como fluxo de caixa, o monitoramento diário das entradas e saídas do negócio é essencial para usar no planejamento e controle financeiro da empresa.

Entre tantos benefícios, é possível resumir que com esse planejamento você consegue ter um raio-x das finanças para manter o negócio sempre em dia e saudável.

5. Crie uma reserva financeira

Finalizando sua organização e planejamento, não esqueça de se organizar para fazer uma reserva financeira – tanto para PF quanto PJ. 

Ela é ideal para suprir necessidades urgentes e não precisar usar o dinheiro pessoal na empresa e vice-versa, entre tantas outros benefícios para sua segurança e estabilidade, inclusive em momentos de crise. 

Separe o dinheiro da empresa do pessoal e fuja dos perrengues

Depois que você aprende como separar o dinheiro da empresa do pessoal, fica mais fácil se organizar para fazer investimentos, evitar dívidas e encontrar soluções para qualquer imprevisto financeiro. 

Veja as vantagens do Apontador Mais para atrair e fidelizar clientes